terça-feira, 20 de julho de 2010

Tríptico

De longe.

Sinta-se desejado. Não. Sinta-se mais do que isso. Sinta-se protagonista das minhas fantasias mais impronunciáveis. E saiba que nem a face virada diante do beijo agonizante em volúpia lhe destituirá desse papel. Que nem mesmo os olhos esquivos que lhe vestem me privarão de lhe despir com os meus. E que quando não está por perto, minhas mãos debocham das censuras que as suas teimam em impor.


De perto.

A respiração intrusa tão próxima e inesperada fez com que meus pêlos tentassem fugir para perto dos seus, como galhos que crescem em direção ao sol. Crescem na esperança muda de quem cultiva o inatingível e se ramifica em busca não do toque, mas de uma fisgada de calor que seja. É o que arrebata, o que devora os sentidos e entorpece o ar ofegante que nos preenche e nos esmaga. Seu mistério persiste em cada inspiração até fugir indiscreto, fotografando sonhos em negativo. E me conta sussurrando que todo lugar é uma viagem possível para espíritos nítidos entre carnes e tormentos. Tortura meus desejos tão vulgarmente que os dissipa todos sobre si e sequer me importo, desde que seja de propósito.


De dentro.

Daqui, a vontade é tão lúcida quanto lúdica, inclusive a de me juntar ao caos dos seus cabelos inquietos ao vento e dançar com eles. Tal qual a brisa que sopra sem mostrar o rosto, do seu sorriso triste apenas os dentes me frequentam a memória. Mas lágrimas sempre foram mais transparentes do que dentes e nisso haveremos de concordar. Resta mastigar brisa com o apetite de uma imaginação delinquente, os pés nus e corpos descalços se contorcendo até toda rigidez se tornar fluida.




flashvars="hostname=cowbell.grooveshark.com&songIDs=7281630&style=metal&p=0" allowScriptAccess="always" wmode="window" />

5 comentários:

Gisa Carvalho disse...

"Lágrimas sempre foram mais transparentes do que dentes"...

É, o choro sempre mostra mais de nós, do que sentimos, que um sorriso.

Ai, ai...

morenarosa. disse...

De longe, de perto e de dentro, nada muito agradável. Adorei tua descrição de punheta, gente, perfeito! Bom, pelo menos eu vi uma por ali em "E quando não está por perto, minhas mãos debocham das censuras que as suas teimam em impor."
Fotografar sonhos em negativo... Tu tem uma habilidade de falar de dor que eu fico embasbacada.
Mas enfim, se eu for destrinchar cada frase que me pega o fôlego, escrevia outro post.
E acabou a hora do recreio aqui.

Anne Dantas disse...

que bonito

jordana disse...

é pra mim?

saudades...

jp

N. disse...

que muito bom isso aqui rei, viciei.