quinta-feira, 10 de junho de 2010

Engordando dicionários

- Eu não saberia lhe descrever. Sequer seria capaz de lhe inventar. É como quando alguém lhe pega de surpresa, tão de surpresa que você chega a pensar que nem sabia ser possível existir alguém daquele jeito no mundo, tão banal nas suas fantasias e tão raro fora delas. Meu susto não passou e ainda me surpreendo com cada dente do seu sorriso, cada movimento do seu olhar, cada gemido do seu sexo. Seja o que for que exista entre seus pêlos e seu corpo, deve ser a mesma coisa que existe entre seus pêlos e os meus. Ainda não saberia descrever, nem dizer o que é exatamente. Acho que quando não se sabe prestar tais satisfações, aí sim, estamos diante de uma novidade realmente empolgante, que ainda não tem nome porque ninguém descobriu além de nós.

- Tentar lhe definir seria como tentar definir o amor. E quero definir o amor na sentença mais extensa e prolixa que puder, que me custe a vida inteira até eu enfim terminar de proferi-la, o último pulsar do meu coração como ponto final. E quando dicionários forem impressos com mil páginas só para a letra A, espero que um dos sinônimos, o mais extenso e prolixo de todos, seja criado por você.





2 comentários:

morenarosa. disse...

Mas que coisa mais linda, emocionei =~~~~~~~~~~~~~~~~~
Ah, l'amour, l'amour... (suspiros)

Pela ordem natural das coisas, você, eterno caçula, deveria morrer depois de mim. Como eu sou mais saudável... tá, como eu sou mais legal, eu vou morrer depois.
Então, só mesmo pra dizer que vai ser muito massa ver a edição impressa (se livros ainda forem impressos até lá, oq eu espero que sim) do dicionário "a" edição especial "Amor".

Gisa Carvalho disse...

Existem coisas que nunca conseguiremos definir...